14.12.06

Quando Sou Eu Quem Decide

Quando realmente estamos em comunhão com Deus, e graças a Ele, nos mantemos no Caminho e podemos ver as maravilhas que Ele pode fazer na vida de uma pessoa, dá vontade de sairmos por aí mostrando Jesus para todo mundo e convertendo o maior número de pessoas que pudermos, principalmente aqueles que amamos.

Aí, você olha pro mundo, vê o caos total no qual ele se encontra, vê gente perdida, destruída, gente sem saber o que fazer, sem saber pra onde ir, gente que não vive (existe) e não entende porque muitas dessas pessoas preferem continuar a viver uma vida desgraçada do que entregar seu caminho a Jesus e aprender o verdadeiro significado da palavra vida.

Qual de nós nunca tentou levar as boas novas de Cristo a alguém necessitado, mas não encontramos nada além de um coração endurecido, que se recusou a sequer nos ouvir?

Ou ainda, qual de nós não conhece pelo menos uma pessoa que sabe a verdade do evangelho, conhece Jesus, sabe que Ele salva, sabe que Ele é capaz de mudar qualquer circunstância, mas se recusa a seguí-lo no caminho?

É aí que a gente não entende por quê. Pensamos se o problema não é conosco, se estamos fazendo alguma coisa errada, se estamos errando no modo como falamos de Deus ou se é o próprio Deus quem não quer salvar aquela pessoa ainda.

É assim quando uma esposa, por exemplo, se converte e o marido não. Ela ora todas as noites para que Deus o salve, ela coloca o nome dele nas campanhas da igreja, faz corrente de oração, coloca louvores em alto volume em casa para que ele não tenha como não escutar e sem querer não enxerga que está tentando, na verdade, enfiar Jesus pela goela do marido.

Então, o que fazer nestas situações? Quem poderá ajudar pessoas como o marido fictício do exemplo citado acima?

Vamos à Filipenses 2:13, que diz assim: “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.”.

Já sabemos que ninguém vai a Jesus se o próprio Deus não o levar. Mas o fato de Deus ser o responsável pela “abertura dos olhos” de alguém para que veja Jesus ou creia que Ele existe não significa que é Deus quem fará essa pessoa seguir o caminho certo.

“Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, então entrarei em sua casa, com ele cearei e ele comigo”. (Apocalipse 3:20)

Este versículo é um trecho de uma carta que foi enviada a Igreja de Laodicéia, uma das sete mais importantes igrejas da Ásia. Jesus aparece em espírito a João e o ordena que escreva cartas às sete mais importantes igrejas da Ásia: cartas específicas, com ordens específicas para cada uma dessas igrejas. Laodicéia foi a última delas.

O que impressiona em Laodicéia é que ela era uma igreja com obras de igreja (vs 15), reconhecida como igreja por Jesus, mas na qual Jesus se encontrava fora. Uma igreja de Cristo sem Cristo. Jesus simplesmente ficava do lado de fora do culto. O Espírito não se fazia presente.

De milhares de lições que se podem tirar desse caso, ficamos com uma: Deus não arromba a porta na vida de ninguém. Deus não invade a vida de ninguém a menos que essa pessoa queira. É bem verdade que fé é um dom de Deus e que devemos orar pelas pessoas que amamos, mas temos que lidar com o fato de que mesmo se Deus desse fé a todas as pessoas desse mundo para que Nele creiam, a maioria dessas pessoas optariam por não seguir o caminho de Deus. E Ele, já sabendo disso, não dispensa fé a qualquer um.

1. Quando é Deus quem decide

Quem já freqüentou alguma igreja evangélica por certo tempo já teve ter ouvido o pastor fazer a clássica pergunta: “quem quer aceitar Jesus nessa noite?”.

Algumas pessoas têm uma visão equivocada de que elas é quem vão procurar Jesus pela primeira vez por livre e espontânea vontade, como se Deus não tivesse nada haver com essa história.

De fato, temos participação no processo de conversão, porque Deus não nos obriga a nada. Tudo podemos, embora nem tudo nos convenha fazer. Estamos livres para fazermos o que quisermos, desde que saibamos que um dia prestaremos conta de cada passo que demos.

Entretanto, é importante que nos lembremos de que antes de aceitarmos o chamado de Jesus, ele já nos aceitou primeiro. Por Ele somos tornados filhos de Deus. Antes de convertermos nossas vidas a Ele, somos apenas criaturas de Deus e não seus filhos. Ninguém crê em Deus por vontade própria: a fé é dom divino e só podemos crer se o próprio Deus nos der esse dom.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”. (Aos Efésios 2:8)

Além disso, não basta crer para ser salvo. É preciso seguir Jesus, pois só através Dele é possível chegar a Deus.

2. Quando sou eu quem decide

O primeiro passo, como vimos, é Jesus quem dá em direção a nós. Depois disso, porém, a responsabilidade é exclusivamente nossa. Temos a liberdade de escolhermos aceitar ou não o chamado de Deus para deixarmos de ser meras criaturas e nos tornarmos seus filhos amados! É como em Laodicéia: Ele bate à porta, abrir ou não é escolha nossa.

Assim, se você é alguém que teve o privilégio de experimentar o amor de Deus e por alguma razão tem se afastado Dele, saiba que Jesus não irá ficar correndo atrás de você a vida inteira. É muito claro saber quem precisa de quem, se você de Deus ou Deus de você. Não destrua mais a sua vida tentando punir Jesus com a sua ausência. Se afastar daquele que é o único que tudo pode só piora as circunstâncias, porque é a força Dele que te capacita para prosseguir a despeito das circunstâncias.

E se você conhece alguém que já sentiu o amor de Deus, mas optou por sair do Caminho, somente ore por esta pessoa. Não julgue e muito menos tente enfiar Jesus pela goela dela. O relacionamento com Cristo tem que ser uma escolha pessoal, pois a responsabilidade da não escolha também é pessoal. Nunca force alguém a se relacionar com Deus só para fazer a sua vontade, porque Deus busca a essência das pessoas. Cristo não está interessado em estabelecer relacionamento com alguém que acha que assim estará fazendo um favor a Ele e não a si mesmo.

Nesse sentido,amados, meu desejo é que o Senhor nunca desista de nos chamar para estarmos na presença Dele, mas que nós nunca desistamos de nos entregarmos totalmente a esse Pai incomparável que Ele é. Um Deus que não se esquece de nós, ainda que não mereçamos nada Dele. E que aqueles a quem amamos sejam alcançados pela graça do nosso Papai e nunca, mas nunca mesmo, optem, por livre e consciente escolha, viver longe Dele.

Que o amor de Deus, o Pai, a Graça de Jesus Cristo, nosso único Senhor e Salvador, o Filho, e as consolações do Espírito Santo sejam sobre todos nós, hoje e para todo o sempre. Amém!
Cyntia Rosarockk

11.12.06

Estabelecendo um Relacionamento Saudável em Cristo

A grande expressão do amor de Deus: sua Palavra deixada para nos instruir, fortalecer e consolar. A grande burrada dos seres humanos: a invenção da religião e a guerra pra saber quem de fato prega a verdadeira Palavra.
Amados, a primeira barreira que teremos que quebrar para termos um bom relacionamento é a da diferença religiosa. Jesus Cristo não fundou religião alguma quando veio à Terra. Entendamos isso de uma vez por todas!!!! Ele apenas deixou Sua Palavra para que saibamos como devemos prosseguir no Caminho.
No mais, qualquer dúvida a respeito de que caminho seguir, é só pensar nos frutos que cada um deles poderá nos dar. "Pelos frutos os conhecereis", não pela religião, denominação, título, etc.
Uma vez intendido isso, estaremos aptos para conversamos e ministrarmos uns sobre os outros com mansidão e comunhão, sem instinto de superioridade.
Que tenhamos ótimas conversas e que o Espírito de Deus guie os nossos entendimentos. Amém!

"Examinai tudo. Retende o que é bom."